Magic Words: o livro escrito por analfabetos por meio do reconhecimento de fala

13 de agosto de 2018 | 4 meses atrás | Tempo de leitura: 3 minutos

No Brasil ainda há cerca de 13 milhões de analfabetos e, apesar de não saberem escrever, essas pessoas também têm histórias de vidas para contar. Pensando nisso, o projeto Magic Words, criado pela AlmapBBDO e desenvolvido em parceria com a The Goodfellas, atual 3MW, para a HP, percorreu o Brasil para ouvir e registrar relatos de brasileiros não alfabetizados, por meio do reconhecimento de fala.

Para tornar a ideia realidade foi necessário unir a tecnologia da HP Ink Advantage Ultra ao API do Google Speech, e desenvolver uma maneira de imprimir em tempo real as palavras. Ou seja, na medida em que as pessoas falavam, as palavras eram reconhecidas e o texto impresso.

Reconhecimento de fala: vencendo desafios 

Acima de tudo, era necessário fidelidade do texto à fala. Não poderiam haver correções, algo que normalmente acontece quando se usa os programas de reconhecimento. “A ideia era captar o sentimento e, portanto, as palavras exatas do narrador. Para isso, não poderíamos corrigir ou modificar o que estava sendo dito. Precisávamos conseguir imprimir exatamente o que era contado”, explicou Caroline Rua, sócia da 3MW, antiga The Goodfellas, e uma das responsáveis pelo projeto.

Como a maioria dos programas de reconhecimento de fala corrige palavras, ou até mesmo as modifica por algo sonoramente similar, foi necessário buscar uma solução para que o programa pudesse transcrever fielmente o texto do narrador.

Depois disso, como em um passe de mágica, histórias de vida que nunca seriam escritas se transformavam em livro. No total, 30 relatos foram impressos, todos contemplados no livro Magic Words, que também conta com fotos impressionantes.

De uma ilha no Atlântico, passando pela Amazônia até chegar às metrópoles, histórias únicas foram encontradas e agora podem ser lidas por gerações, sem a chance de serem esquecidas.

Livro, documentário e aplicativo

Ao todo foram impressas 4.500 páginas que, após serem transformadas em livros, foram entregues aos autores, bibliotecas e centros culturais de suas regiões. A The Goodfellas foi responsável, também, pelo desenvolvimento do aplicativo e criação do conteúdo de divulgação do incrível projeto.

Além da versão escrita das histórias, que pode ser baixada no site www.hpmagicwords.com.br, foi produzido um documentário com todos os contos.