Como a inteligência artificial vai ajudar a acabar com fraudes financeiras

10 de julho de 2018 | 3 meses atrás | Tempo de leitura: 3 minutos

Conforme a tecnologia avança, vamos descobrindo novas possibilidades para a inteligência artificial. Faz tempo que a noção de IA se resume ao básico de robôs que possam conversar conosco. Um dos campos que a inovação deve revolucionar é o financeiro. Mais especificamente, o das fraudes financeiras, tornando a detecção mais fácil, prevendo padrões e impedindo que crimes aconteçam.

Dados da segurança virtual McAfee mostram que os crimes cibernéticos custam, para a economia global, mais de US$ 600 bilhões. A fraude mais recorrente é relacionada ao cartão de crédito e, por acontecer em velocidade tão rápida, precisa de uma tecnologia avançada e que ajude a impedir o problema.

Atualmente, já há empresas focadas em criar softwares que atuem nesse segmento. Como lembra a Forbes, é possível implementar algoritmos que identifiquem, de forma automatizada, padrões de fraude. Essa tecnologia pode, além de identificar ações suspeitas, utilizar um machine learning que note que, a partir do momento em que hábitos de gastos de cliente mudam, o software ajuste para não acabar errando e identificar de maneira errada uma fraude — os famosos falsos positivos.

O desenvolvedor Vian Chinner lembra que, atualmente, os falsos positivos são um dos maiores problemas dos sistemas de detecção de fraude. Normalmente, qualquer tipo de ação que fuja de um padrão, recebe a tal red flag — identificando que ali pode existir um crime. No entanto, às vezes fazemos ações que fogem do padrão. Por exemplo, quando viajamos e compramos passagens, reservamos hotéis ou fazemos algum tipo de compra online, algumas pessoas podem ter o seu cartão bloqueado.

Com um sistema que compreenda melhor os hábitos do consumidor, é possível usar os milhares de dados disponíveis para cruzá-los e idenficiar que se trata simplesmente de uma viagem. Chinner alerta que, com esse tipo de ação, o customer success aumenta, já que existirão menos clientes insatisfeitos por conta de seus cartões bloqueados sem necessidade.

Mas como a inteligência artificial pode ajudar na detecção?

É aí que vem a parte mais legal: imitando o cérebro humano. A evolução da IA permite que algoritmos estejam sendo criados baseados no cortéx visual dos animais. Chamados de rede neural convolucional, esses algoritmos inspirados em processos biológicos torna a tecnologia menos dependente de humanos, pois a rede consegue aprender alguns filtros que precisariam ser colocados manualmente.

Os algoritmos entendem os dados de gasto da pessoa e determinam se aquela compra foi feita pela própria ou se alguém está usando os dados de cartão de crédito. Muito mais completo do que o sistema tradicional, o software aprende continuamente e se mantém atualizado.

A utilização da inteligência artificial no campo financeiro deve ser uma das prioridades para quem trabalha com essa tecnologia nos próximos anos. Embora a inovação possa ajudar em qualquer área, impedir fraudes financeiras pode reduzir drasticamente perdas financeiras.