5 curiosidades sobre Inteligência Artificial

15 de outubro de 2018 | 10 meses atrás | Tempo de leitura: 5 minutos

Foi a partir de 2001 que o termo Inteligência Artificial (IA) começou a ser mais disseminado no mundo. O responsável foi o longa-metragem “AI – Inteligência Artificial”, que conta a história de um robô programado para ter sentimentos. Apesar disso, a IA existe há muitos anos. Os avanços no campo vêm acontecendo cada vez mais rápido, de modo que suas aplicações também se expandiram e lista de curiosidades sobre o tema só vem crescendo.

Como explicamos aqui, a inteligência artificial é uma área da ciência da computação que visa criar tecnologias capazes de simular a capacidade do ser humano de raciocinar, tomar decisões e resolver problemas.

Com o passar dos anos, o termo foi ficando conhecido, e passamos a escutá-lo com maior frequência. Porém, como ainda há muitos pontos obscuros sobre essa tecnologia, listamos abaixo cinco curiosidades sobre inteligência artificial:

1. Não se sabe exatamente quando a inteligência artificial surgiu, mas ela tem, pelo menos, 62 anos

A data de seu surgimento não é certa, porém, no início do século passado a ideia aparecia, pela primeira vez, em obras de ficção científica. Na peça teatral “Rossum’s Universal Robots”, de 1920, o termo “robô” já aparecia, assim como no filme “Metropolis”, sete anos após a peça.

Depois, com o início da segunda guerra mundial, cientistas de áreas como engenharia, neurociência, matemática e computação se aproximaram. Na época, alguns já começavam uma discussão sobre a criação de um cérebro artificial.

Em 1950, Alan Turing publicou um artigo em 1950 descrevendo o Teste de Turing, que testou se uma máquina poderia convencer uma pessoa a pensar que ela era humana.

Posteriormente, em 1956, oficialmente nascia um campo de estudos voltado à inteligência artificial. A Conferência Dartmouth, que aconteceu naquele ano, durou aproximadamente oito semanas e foi, essencialmente, uma sessão de brainstorming da qual o resultado foi a formalização do termo inteligência artificial.

2. Inteligência artificial é diferente de machine learning

Muitas vezes os dois termos são utilizados lado a lado, porém, é fácil confundi-los e pensar que se trata da mesma tecnologia.

Na realidade, machine learning é apenas um braço da IA. O “aprendizado de máquinas” é uma aplicação da inteligência artificial em que um grande volume de dados é acessado para que a tecnologia possa analisá-los e, então, aprender com base no que encontrou.

Aplicativos como Spotify utilizam machine learning. Ao identificar as preferências do usuário ele pode entender o que aquela pessoa gosta de ouvir e, então, recomendar músicas que, provavelmente, irão agradá-la.

A inteligência artificial é um conceito mais amplo, que inclui outras tecnologias além do aprendizado de máquinas.

3. Google, Facebook, Amazon e outras empresas formaram um grupo de pesquisa e defesa da AI

Em 2016, Google, Facebook, Amazon e outras grandes empresas criaram o projeto “Partnership on AI”, que visa estabelecer melhores práticas para a aplicação de IA.

De acordo o site oficial do projeto, um dos objetivos é “garantir que as aplicações da inteligência artificial sejam benéficas para as pessoas e a sociedade”.

O Partnership on AI pretende, ainda, realizar pesquisas, organizar discussões, compartilhar ideias e criar material educacional sobre o assunto.

4. A inteligência artificial provavelmente substituirá humanos em muitos empregos

Segundo com a empresa de consultoria e auditoria PricewaterhouseCoopers (PwC), a inteligência artificial substituirá 38% das vagas de trabalho nos Estados Unidos, até 2030.

Até mesmo os trabalhos mais criativos estão perdendo mercado para as máquinas. Atualmente existem softwares capazes de elaborar textos jornalísticos básicos. Eles já conseguem escrever notícias sobre partidas de futebol e resumos financeiros do dia.

Além disso, em 2017 foi lançado um álbum de músicas compostas e produzidas pelo Amper, um programa baseado na IA.

5. Acredita-se que a inteligência artificial vai alcançar a capacidade humana em um futuro não tão distante

Em 1993, o cientista de computação Vernor Vinge criou o termo “singularidade tecnológica”, momento em que a inteligência artificial irá superar a capacidade humana.

De acordo com Vinge, alcançaremos a singularidade antes de 2030, e o mundo que como conhecemos será radicalmente transformado. Segundo Peter Diamandis, da Singularity University, apenas em 2037 é que chegaremos à singularidade.

O estudo When Will Artificial Intelligence Exceed Human Performance?”, de 2016, recolheu opiniões de 352 cientistas de especialistas acerca dos avanços da tecnologia.

Segundo o estudo, muitos pesquisadores preveem que a IA irá superar o desempenho humano em diversas atividades até 2026 e, ainda, que a inteligência artificial tem 50% de chance de superar o desempenho humano em todas as tarefas até 2061.