Biometria de voz: o que é e como ela está mudando a experiência nas smart homes

8 de outubro de 2018 | 2 semanas atrás | Tempo de leitura: 3 minutos

A maioria das pessoas já ouviu falar sobre controle do acesso de pessoas por meio da leitura de impressão digital, íris, ou retina. No entanto, a biometria de voz ainda é desconhecida por muita gente. Você sabe como ela funciona e quais podem ser as suas aplicações em nosso dia a dia?

O princípio desse sistema é o mesmo dos outros tipos de biometria: é realizado o cadastro em um banco de dados para que, posteriormente, possam ser realizadas consultas.

Inicialmente, a biometria de voz estava presente apenas em bancos e centrais de cartões de crédito, por exemplo. No entanto, com o passar dos anos e avanço da tecnologia, ela passou a ser utilizada de outras maneiras, e se tornou mais presente na rotina de algumas pessoas.

Smart home com biometria de voz e inteligência artificial

Nas smart homes, as casas inteligentes, a biometria de voz unida à inteligência artificial (AI) pode aprimorar a capacidade de um sistema ou assistente virtual, para que as necessidades de cada pessoa sejam atendidas no momento em que uma voz é reconhecida.

Os comandos por voz já são bastante comuns. Atualmente é possível acessar, por meio do comando vocal, programas, realizar buscas, ouvir músicas, além de muitas outras possibilidades. No entanto, o sistema biométrico de reconhecimento de voz é capaz de identificar cada indivíduo, o que permite maior personalização.

Todos nós temos uma impressão vocal única, que pode ser utilizada simplesmente para identificação, como também nos sistemas inteligentes, para que sejam criadas essas experiências singulares.

Com a união dessas duas tecnologias (AI e biometria de voz), sua voz pode ser a chave de casa e, depois de aberta a porta, uma experiência personalizada se inicia, onde tudo dentro da residência é ajustado de acordo com as suas opções.

O segredo está justamente na mesclagem dos sistemas que, depois de reconhecerem uma voz, identificam quais são as preferências daquele indivíduo.

Nos Estados Unidos, cerca de 150 milhões de consumidores já utilizaram a biometria de voz para autenticação de sistemas bancários, em que sua voz é a senha. No entanto, nas casas inteligentes o leque de possibilidades é muito maior, e o sistema pode não só atender às necessidades de cada pessoa, mas também aprender as preferências de cada um, para tornar o tempo que passamos em casa muito mais agradável.

As pessoas passam cerca de 37 horas por semana em suas residências e a biometria de voz integrada à inteligência artificial e IoT pode tornar muito mais simples o acesso a serviços de controle, dispositivos, além de personalizar música e conteúdo. Podemos dizer que, finalmente, as smart homes estão realmente se tornando inteligentes.