Como a tecnologia pode ajudar no restabelecimento da confiança entre pessoas

5 de setembro de 2018 | 2 semanas atrás | Tempo de leitura: 5 minutos

Antigamente a confiança entre pessoas era baseada no olho no olho, no aperto de mãos na hora de fechar um negócio. Com o passar do tempo, surgimento da pós-modernidade e globalização, isso mudou bastante. De certa forma, deixamos de nos identificar e confiar no outro ser humano. Porém, as novas ferramentas tecnológicas podem ajudar a restabelecer a confiança entre as pessoas.

Na pós-modernidade, as figuras de excesso – como excesso de espaço -, aceleração do processo histórico e individualização, marcam presença na sociedade.

Paralelamente, surge a globalização rompendo fronteiras e aproximando pessoas e regiões. Atualmente, dentro de um só lugar, diversos outros mundos são construídos. Sendo assim, ao mesmo tempo em que há um aumento do contato entre pessoas e culturas – trazendo mais referências -, com tanta informação, as pessoas acabam não se identificando da mesma maneira que antigamente, ficando cada vez mais distantes umas das outras. Nós acabamos perdendo a referência das pessoas e a maioria dos seres humanos torna-se estranha, de modo que não confiamos mais em ninguém.

Como já dizia Zygmunt Bauman: na era líquido-moderna tudo se desfaz e se perde facilmente. Mas como as ferramentas tecnológicas podem ajudar a reconstruir a confiança entre humanos?

Tecnologia e confiança

Ao passo que determinadas tecnologias são popularizadas e democratizadas, as pessoas voltam a se aproximar.

Com o surgimento de smartphones, transações online, blockchain e tantas outras tecnologias, surgem os “protocolos de validação da confiança”.

No caso dos aplicativos como Uber, as pessoas simplesmente entram no carro de um estranho e confiam que serão levadas com segurança até o destino. A plataforma permite isso, pois confiamos nela. Sabemos que a corrida está rastreada que podemos visualizar as avaliações de outros passageiros, então não temos medo de entrar no carro.

No sistema blockchain, por se tratar de uma tecnologia em que as transações são realizadas sem interferências de terceiros e com total transparência e segurança, permite-se o empoderamento das pessoas e de suas relações, possibilitando o restabelecimento da confiança.

Com os protocolos de validação e empoderamento, nos sentimos seguros e começamos voltar a confiar no ser humano.

A economia da confiança

O novo paradigma da confiança cria um momento único. Se, por acaso, você perdesse o emprego agora ou precisasse de dinheiro, o que poderia fazer para resolver o seu problema rapidamente? Com as novas tecnologias, poderia dirigir pela Uber, alugar um quarto de sua casa no Airbnb ou vender pratos no Apptite, caso tenha dotes culinários, por exemplo.

O ser humano ganha autonomia e pode se conectar com milhares de outras pessoas, gerando transações por meio dessas plataformas tecnológicas de confiança.

Agora, as pessoas têm o poder de comprar e vender entre elas, quando quiserem, o que cria horizontalidade e um aumento enorme na quantidade de produtos e serviços ofertados.

Desse modo, o restabelecimento da confiança baseado nas novas ferramentas tecnológicas ajuda, inclusive, a descentralizar a produção dos grandes monopólios.

O antigo modo de dominar o mercado começa a ser ameaçado, uma vez que as pessoas começam a perceber o poder que têm, juntas.

Take Craft Back

Já ouviram falar do caso Take Craft Back? Trata-se de um movimento em que cervejarias artesanais norte-americanas se uniram para mostrar como a ABInbev (no Brasil, seria a nossa AMBEV), estava prejudicado o mercado das cervejarias artesanais.

O movimento mostrava a importância dessas pequenas empresas e alegava que a cerveja artesanal tem todo um charme e preparo especiais, que deixavam de existir quando a ABInbev comprava as pequenas marcas e acabava com determinadas características da cerveja.

Para sanar esse problema, o movimento criou um crowdfounding e colocou a meta de U$213 bilhões. Eles queriam comprar a maior empresa de bebidas do mundo e, com a ajuda de outras pessoas, conseguiram!

Com o surgimento de novas tecnologias as regras mudaram. As pessoas voltaram a se identificar e confiar umas nas outras. Passamos a perceber o poder que temos juntos e que as pessoas podem até mesmo determinar quem cai e quem fica. Estamos entrando na era do monopólio social, e a tecnologia foi essencial para possibilitar esse momento.