Porque as empresas precisam ser data driven

24 de outubro de 2018 | 6 meses atrás | Tempo de leitura: 4 minutos

Com o passar dos anos, o crescimento exponencial da tecnologia criou um mundo hiperconectado, onde há informação e dados sendo gerados o tempo todo. Nesse contexto, as empresas enxergaram a necessidade de se adaptar, rever modelos de negócios, se transformar digitalmente e de criar uma mentalidade data driven, ou seja, se orientar pelos dados.

Esse volume de informação produzida é o que chamamos de big data, um conjunto de dados estruturados – que podem ser inseridos em uma planilha – e não estruturados – vídeos e fotos.

Já falamos aqui sobre a importância do big data e, para se ter uma ideia, somente nos últimos dois anos foi produzido 90% de todos os dados disponíveis atualmente. De acordo com um estudo realizado pela  Forrester Consulting em 2017, estima-se que até 2020 cerca de 90% das organizações devem usar insights orientados por dados.

Desde o ano 2000, 52%  das empresas listadas na Fortune 500, uma classificação das 500 maiores corporações em todo o mundo, quebraram, deixaram de existir ou foram adquiridas. Sendo assim, podemos afirmar que vivemos em uma era de mudanças, uma era data driven em que as empresas precisam se inserir nessa realidade para sobreviver.

A mentalidade data driven

Ter uma mentalidade data driven não é apenas analisar o big data, mas sim buscar alcançar uma filosofia de atuação que coloca os dados no centro para que a empresa consiga se remodelar visando solucionar de problemas e atendimento das necessidades identificadas.

Muitas companhias nasceram na era dos dados e, portanto, estão à frente de outras que ainda estão tentando se adaptar. A competitividade delas é maior, se comparadas àquelas que não se inseriram nesse universo.

Como se tornar uma empresa data driven?

Com crescimento exponencial da tecnologia e aumento da importância da cultura de dados, é impossível continuar com um modelo obsoleto de atuação. Para se preparar, é necessário acompanhar as novidades do mercado e avaliar cenários, para entender como esse meio vai impactar sua empresa e o que é preciso para se inserir nele.

Além disso, é essencial adotar processo ágeis para testar produtos e soluções, buscando aprender rapidamente e consertar o que for preciso.

Essas atitudes, combinadas ao uso da inteligência de dados, pode ajudar a entender informações adquiridas para ajudar nas tomadas de decisão e adequação ao modelo data driven.

Em um ambiente onde a experiência do cliente é prioridade, garantir o alcance das expectativas fica mais fácil quando é aplicada a cultura de dados. Atualmente, tudo pode ser mensurado, e esse potencial deve ser aproveitado. Só assim será possível se manter no mercado de forma competitiva.

Segundo  Chris Jennings, vice-presidente de serviços de tecnologia da Collaborative Consulting, “para se tornar uma empresa orientada por dados, a crença na importância da integridade e qualidade da informação precisa permear a cultura da empresa em todos os níveis. É fundamental uma mudança disciplinada na mentalidade de todos os funcionários para manter a integridade e a qualidade ”.