Transmissão ao vivo: como o vídeo pode melhorar o engajamento da sua marca

Tecnologia

23 de Maio de 2018 | 4 semanas atrás

A transmissão ao vivo de vídeos é uma das tendências de marketing para 2018. A IBM Cloud Video e a plataforma de vídeo Brandlive fizeram uma pesquisa no começo do ano e descobriram que 95% das marcas e agências disseram que o live video era uma parte importante da estratégia de marketing neste ano.

A chegada dos serviços de streaming, a consolidação do YouTube e a evolução das câmeras dos smartphones ajudaram a fazer do conteúdo em vídeo uma das principais ferramentas para as marcas. Há alguns anos esse tipo de formato tem dominado o cenário — e deve continuar assim, já que há uma previsão de que, até 2020, o vídeo será 80% do conteúdo produzido na internet.

A transmissão ao vivo começou a ganhar destaque aos poucos. Facilitado por uma internet móvel melhor, o formato se tornou mais democrático, sem depender de antenas e uma infraestrutura digna de equipe de TV. Afinal, tudo o que você precisa é de um smartphone para fazer transmissões ao vivo em redes sociais como Twitter, Facebook ou Instagram. No entanto, vale destacar que, para ser bem-sucedido, a qualidade da imagem e do som precisa ser satisfatória.

Para o marketing, esse tipo de formato propicia um feedback instantâneo sobre o conteúdo produzido, já que a interação é feita no momento em que o vídeo está sendo transmitido nas redes sociais.

Transmissão ao vivo: dentro e fora das redes sociais

A cada 5 vídeos no Facebook, 1 é através da plataforma Facebook Live. Parece o caminho a ser seguido para uma marca que quer engajamento. Um conteúdo criativo é capaz de fazer milhares de seguidores acompanharem um vídeo.

Para acertar a mão nas transmissões ao vivo no Facebook ou YouTube, a Forbes deu algumas dicas interessantes. A primeira delas é construir uma audiência. Ao clicar no botão “Live”, os seguidores da página no Facebook vão receber uma notificação. “É como se fosse uma ligação de telemarketing, mas de alguém que você conhece”, sugere a Forbes.

Outra dica é fazer do conteúdo em vídeo uma extensão de sua empresa. Se elementos como mensagem da marca e estilo já estão bem definidos, a transmissão ao vivo deve seguir isso. A criatividade é importante, é claro, como quando o BuzzFeed fez um vídeo ao vivo dos funcionários explodindo uma melancia com elásticos, mas às vezes o simples resolve, desde que seja interessante. É o caso da SpaceX. O que a empresa de tecnologia faz? Transmissões ao vivo de seus foguetes sendo lançados.

Por último, é preciso aproveitar todo o engajamento do conteúdo ao vivo. Por isso, por maior que seja audiência — e tomara que seja — é necessário dar atenção para quem parou o que estava fazendo para assistir. Interagir, ler nomes e perguntas ajudam a construir uma relação mais próximo com quem está participando.

No entanto, a resposta pode não estar somente dentro das redes sociais. “O vídeo ao vivo amadureceu e vai muito além de uma jogada das redes sociais. As plataformas sociais mudam as regras o tempo todo para beneficiar seus negócios, então as empresas estão ficando mais inteligentes em operar isso para controlar o próprio destino”, diz Fritz Brumder, CEO e co-fundador da Brandlive.

A 3MW entende a tendência das transmissões ao vivo e trabalha com seus clientes que queiram criar um novo tipo de engajamento com a sua audiência. Desenvolvida pela 3MW, o Letucee é uma plataforma que permite que cada pessoa possa compartilhar o seu ponto de vista de um mesmo assunto sob perspectivas diferentes, ao mesmo tempo e em real time.