Internet 5G: como a nova conexão vai afetar o marketing

Tecnologia

22 de Maio de 2018 | 4 semanas atrás

A internet 5G já bate à porta. O que é uma conexão mais rápida para nós vai muito além de conseguir ver Netflix sem interrupções — o 5G deve ser 10 vezes mais rápida do que o atual 4G. A mudança vai além de ter internet mais rápida por que representa uma geração que precisa estar pronta para a IoT.

Kevin Crull, chief strategy officer da Sprint, operadora americana, disse para AdWeek que imagina um mundo em que o smartphone consegue automaticamente agendar uma corrida de Uber para o aeroporto, tudo isso baseado em um voo marcado no calendário.

A ideia do 5G é que a tecnologia pode, de fato, ter a capacidade de prever as ações que o consumidor vai fazer. “Em sua essência, o lançamento do 5G promete aumentar as velocidades de conexão em até 10 vezes, enquanto corta a latência por um fator de cinco. Vídeos e comerciais com a nova tecnologia serão transmitidos mais rapidamente e serão mais nítidos em smartphones”, diz.

No entanto, a grande mudança da nova conexão é em relação ao 5G: a chamada Internet das Coisas vai ser mais efetiva. “É pensar em tudo estar conectado”, afirmou Craig Elimeliah, diretor criativo de tecnologia de VML. “O telefone se torna um controle para todas as coisas ao nosso redor que têm a capacidade de interconectividade”, afirma.

A corrida pelo 5G entre as principais operadoras tem aquecido esse mercado. Espera-se que, nos próximos dois anos, sejam investidos incríveis US$ 500 bilhões globalmente para a preparação da chegada da nova conexão.

Internet 5G: como o marketing vai reagir?

Inicialmente, há as previsões que vem mais fácil à cabeça sobre o impacto do 5G no marketing digital: uma conexão mais rápida valoriza o vídeo, com formatos como o vídeo ao vivo se consolidando ainda mais. Para a AdWeek, isso pode ir além: conteúdos que ficam limitados pela conexão atualmente poderiam ser muito mais aproveitados, como realidade virtual, realidade aumentada e clipes interativos. “Em um mundo com 5G, você não vai ficar limitado — você pode mostrar o que quiser e ter uma rica e profunda experiência, então acredito que a realidade aumentada vai se beneficiar muito com o 5G”, diz Jeff Malmad, diretor da Mindshare, empresa de publicidade e marketing.

À médio e longo prazo, o 5G também deve chegar aos carros autônomos. Imagine só: os carros que se dirigem vão dar tempo para as pessoas, que poderão engajar com algum tipo de publicidade enquanto estão no trânsito. “Com 5G, você vai começar a ver uma transformação fluída de informação”, diz. “Pessoas vão fazer mais streams de vídeo e, dentro desse mundo, a habilidade de se comunicar de maneira efetiva com alguma mensagem de marca enquanto você vai para uma loja se torna mais prevalente”, completa.

Além disso, o 5G vai levar conexões para áreas que estão distantes dos pólos urbanos. Dessa maneira, marcas vão ter acesso a novos públicos e targets, o que vai possibilitar novas estratégias para empresas.

Mas quando o 5G deve chegar, de fato, no Brasil? Testes comerciais estão previstos para 2019, mas a adoção completa do modelo deve demorar um pouco mais — a previsão é de 2025, segundo a GSMA. Ainda assim, estamos a poucos anos de vivenciar uma experiência de internet completamente diferente. É bom ir se preparando.